Notícia:

Menina de 8 anos morre após ser picada por cobra jararaca em MT

Melissa de Oliveira Gudê foi socorrida e internada no hospital de Colniza. Ela seria transferida para Cuiabá, mas morreu antes.
Menina de 8 anos morre após ser picada por cobra jararaca em MT Cobra picou menina — Foto: Divulgação

Uma menina de 8 anos morreu nesta quinta-feira (18) após ser picada por uma cobra da espécie jararaca, num sítio na zona rural a de Colniza, a 1.065 km de Cuiabá. Melissa de Oliveira Gudê foi socorrida e internada no hospital da cidade, onde faleceu.

Segundo a direção do hospital, a criança estava junto com o pai próximo a um córrego quando foi picada pelo animal peçonhento.

No Hospital Municipal André Maggi (HMAM), ela tomou oito ampolas de soro antiofídico e seria transferida para Cuiabá.

Ao g1 a assessoria da prefeitura de Colniza informou que a menina chegou à unidade por volta de 16h e devido à gravidade do estado de saúde foi solicitado transporte aéreo para Cuiabá, mas as condições de voo noturna não estavam favoráveis.

A criança seria transferida na manhã desta quinta-feira, mas não resistiu e faleceu. A menina chegou em torno de 1 hora a a 3 horas depois de ter sido picada.

As jararacas são as responsáveis por mais de 90% dos acidentes com cobras no Brasil.

O veneno das jararacas é composto por enzimas que degradam a musculatura, causando hemorragias e necrose local.

Leia também:
Prefeitura abre consulta popular para levantamento de cursos na área de turismo

Primeiros socorros

Em caso de picada, é importante não amarrar o local que foi picado. Essa prática pode ocasionar o surgimento de necrose, além de aumentar a chance de amputação do membro ou outras complicações.

Outra orientação é nunca cortar o local da picada, nem fazer perfurações ou sucção. O local da ferida deve ser lavado com água e sabão. O pesquisador ressalta ainda que a vítima deve ser levada o mais rápido possível para o hospital.

Caso a cobra tenha sido morta, a pessoa deve levá-la até o hospital ou fotografá-la. Por isso, o pesquisador afirma que é importante o profissional de saúde saber reconhecer qual a serpente causadora do envenenamento durante o diagnóstico, para escolher melhor o soro antiofídico a ser aplicado no paciente.
 

Fonte: G1 MT

FOTOS DA NOTÍCIA Clique na foto para abrir

Comentários

{{countcoment}} COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
{{car.nome}}
{{car.comentario}}
{{car.mais}}
{{car.menos}}