Notícia:

Dono de restaurante vira réu por morte de mulher que desapareceu ao receber dívida de R$ 14,5 mil em MT

Vítima foi assassinada depois de receber a quantia em dinheiro. Segundo a Polícia Civil, Leandro José Reis confessou o crime.
Dono de restaurante vira réu por morte de mulher que desapareceu ao receber dívida de R$ 14,5 mil em MT Hélida Cristina da Silva Fardin foi assassinada pelo comerciante em Sinop — Foto: TVCA/Reprodução

O dono de um restaurante em Sinop, a 503 km de Cuiabá, preso suspeito de matar uma mulher que desapareceu depois de receber uma dívida de R$ 14,5 mil, virou réu pelo caso pela Justiça de Mato Grosso.

Leia também:
''Ser preso por falar a verdade, pra mim é uma honra'', diz alvo da PF em operação contra fake news

Leandro José Reis, de 41 anos, está preso desde agosto na Penitenciária Osvaldo Florentino Leite Ferreira (Ferrugem) em Sinop. Ele confessou o crime e apontou o local onde deixou o corpo de Élida Cristina da Silva Fardin.

Élida trabalhava como repositora de supermercado e foi assassinada em agosto.

Leandro virou réu e deve responder por homicídio qualificado acusado de assassinar a repositora. A juíza da 1ª Vara Criminal, Rosângela Zacarkim, recebeu a denúncia do Ministério Público Estadual (MPE) contra o comerciante.

Para a Justiça, o crime foi cometido supostamente por motivo fútil, de maneira cruel e mediante recurso que dificultou a defesa da vítima. Ele ainda responde por ocultação de cadáver.

No final de agosto, o acusado participou da reconstituição do crime feita pela Polícia Civil e Perícia Oficial. Leandro alegou que o crime ocorreu em razão da cobrança de uma dívida de R$ 14 mil que ele tinha com o marido de Élida.

Ela foi ao restaurante para receber no dia 19 de agosto e seu corpo foi encontrado no dia 23, após a prisão do comerciante, que acabou confessando o local onde havia escondido o corpo.

O caso

Élida foi vista pela última vez no dia 19 deste mês depois de receber a quantia no restaurante de Leandro, que fica na Avenida das Embaúbas. O corpo dela foi encontrada em uma valeta próximo a subestação de energia.

As buscas pela vítima começaram depois que o marido de Élida procurou a polícia para registrar o desaparecimento da mulher. À polícia, ele disse que a mulher havia mandado mensagens dizendo que havia recebido o valor e que precisava espairecer. Élida, porém, não voltou para casa.

O marido desconfiou da mensagem uma vez que não foi escrita com palavras usadas com frequência pela vítima. Ao tentar ligar para ela, o telefone estava desligado.

Em depoimento, Leandro disse que cometeu o crime após uma discussão com a vítima. À polícia, ele disse que usou uma corda nylon para enforcar Élida. O corpo dela foi colocado em sacos de lixo.

O corpo da vítima foi encontrado no local apontado pelo suspeito.

 

Fonte: Tv Centro Ameríca

Comentários

{{countcoment}} COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
{{car.nome}}
{{car.comentario}}
{{car.mais}}
{{car.menos}}