Notícia: LEGISLATIVO SINOP

CPI faz oitivas e ouve usuários do transporte público de Sinop

A comissão investiga as condições dos serviços oferecidos pelo transporte coletivo na cidade
CPI faz oitivas e ouve usuários do transporte público de Sinop

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) criada para investigar os serviços prestados pela empresa que administra o transporte público em Sinop, realizou nessa sexta-feira (22), a segunda oitiva. Os vereadores Moisés do Jardim do Ouro (PL), presidente da comissão, e Dilmair Callegaro (PSDB), relator, e Celsinho do Sopão (Republicanos), membro, que fazem parte da comissão, ouviram relatos de moradores de vários bairros sobre os serviços oferecidos.

Além das condições precárias dos veículos utilizados no transporte de passageiros e nos pontos de espera de ônibus, a falta de horários foi uma das maiores reclamações feitas pelos usuários. “Nós não temos horários à noite, o último é as 18:20hr. Quem precisa ficar até mais tarde no serviço não tem como voltar para casa depois desse horário. Sem falar que nos sábados os horários foram reduzidos e domingo e feriado não há ônibus”, denunciou a moradora do Camping Clube, Luciene Aparecida Gomes Rodrigues. “A empresa alega que não tem demanda para atender a região mas garanto que tem sim. O Camping Clube cresceu, o Jardim o Ouro cresceu, o Gente Feliz nem se fale, e vem dizer que não tem demanda?”, questionou. “Sinop cresceu de uma maneira inexplicável, rápido, e a Rosa (empresa) não acompanhou”, ressaltou.

“Eu moro em frente a um ponto e vejo o tempo que as pessoas ficam lá esperando um ônibus. As vezes eu saio e depois volto e vejo que ainda a pessoa ainda está lá esperando o ônibus que demora muito para passar”, relatou Elisangela Aparecida de Andrade, moradora do Vila Santana. “A gente tem dificuldade para trabalhar, pois se precisar ficar no serviço até mais tarde não dá por causa do horário do ônibus e pagar aplicativo fica muito caro, mais de R$ 40 reais”, lamentou o morador Fernando Campo. Conforme os moradores, com a pandemia a situação ficou ainda mais difícil e horários noturnos como o das 23:00hs forram cancelados e até hoje não retornaram.

O presidente da comissão lembrou que os depoimentos são importantes, pois servirão de base para os trabalhos da CPI. “É preciso que a população venha até aqui e relate o que acontece, pois os usuários sentem na pele as condições reais do transporte público e isso dá força a nossa CPI”, pontuou. “Esperamos que essa CPI venha de fato resolver o problema do transporte público em Sinop, porque não dá mais para continuar assim. O contrato é de 2004 e não foi feito mais nada”, disse em relação a atualização do contrato para atender as necessidades atuais da demanda.

Além de ouvir usuários, a comissão também percorreu algumas linhas e trechos como Boa Vista, que também atende aos bairros Centro, São Cristóvão, Buritis e Setor Industrial, e Alto da Glória, foram percorridos pelos vereadores.

A CPI foi criada em agosto depois de denúncias sobre as condições precárias dos veículos usados para o transporte de passageiros. O prazo para conclusão dos trabalhos é de 60 dias e segundo o relator deverá ser concluída dentro do tempo regimental. “Acredito não será necessário pedir prorrogação, o relatório deverá ficar pronto dentro do prazo”, prevê Dilmair.

Na quinta-feira (21) a comissão fez a primeira oitiva e na próxima terça (26) deverá fazer última rodada de depoimentos. A oitiva será realizada a partir das 14:30hs, na Câmara. Os vereadores Lucinei (MDB), Professor Mário (Pode), Célio Garcia (DEM), e Elbio Volkweis (Patriota), acompanharam os trabalhos da comissão.

Leia também:
Vereadores querem sessões de cinema especiais para pessoas com autismo e síndrome de Down
Fonte: Câmara de Sinop

Comentários